Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal (NSCCP) - página oficial

01.10.2018 |Apresentação do projeto NSCCP em Soure

01-10-2018-apresentacao-do-projeto-nsccp-em-soure

 

«Temos dois polos urbanos com muita juventude»

 

«O nosso objetivo em aderir a este movimento tem a ver com o facto de termos dois polos urbanos no concelho com muita juventude, na vila de Soure e no espaço [residencial] da freguesia de Granja do Ulmeiro. Esta é já uma zona suburbana de Coimbra, com muitos jovens que frequentam a noite, dispondo de bares locais abertos», afirma o presidente da Câmara Municipal (CM) de Soure, Mário Jorge Nunes, antecipando a sessão de apresentação local do projeto «Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal» (NSCCP), realizada no dia 28 de setembro de 2018.

 

«Sentimos que há necessidade de tomar algumas atitudes pedagógicas, para que as noites de Soure e da Granja do Ulmeiro sejam noites saudáveis», declara o presidente da CM deste município da sub-região do Baixo Mondego, em entrevista para a página eletrónica do NSCCP. «Por outro lado, o facto de sermos uma zona suburbana de Coimbra faz-nos [experienciar] essa influência», regista Mário Jorge Nunes, expectante em relação ao projeto.

«Este trabalho só será profícuo se for feito em rede!», manifesta o líder do executivo camarário sourense, considerando que «em Soure e em Coimbra o público é o mesmo». «Assim, faz todo o sentido partilharmos os mesmos métodos e as mesmas ações, para atingirmos o mesmo objetivo, especialmente na camada jovem», observa o autarca, que quer desincentivar o consumo alcoólico e de substâncias estupefacientes, apostando nos comportamentos sociais saudáveis. «Isso diminui uma série de riscos e é, portanto, a nossa expectativa», salienta Mário Jorge Nunes.

 

Aumentar a segurança e a qualidade de vida

A reunião de esclarecimento e de mobilização dos atores locais foi organizada pela CM de Soure, em colaboração com a equipa de coordenação do projeto NSCCP – constituída pelo psiquiatra João Redondo e pela administradora hospitalar Diana Breda (que não participaram neste encontro) e pelo psicólogo Fernando Mendes, que preside ao Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco em Crianças e Adolescentes (IREFREA Portugal), o qual administra a iniciativa NSCCP, com a parceria científica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Com a intenção de contribuir para o aumento da segurança e da qualidade de vida nos contextos recreativos noturnos de Soure e da sub-região do Baixo Mondego, a próxima sessão local contará as participações de representantes de instituições concelhias, bem como de vários estabelecimentos comerciais e das estruturas associativas sourenses, a par das forças de segurança.

Relativamente às problemáticas locais, o presidente da edilidade constata que «há consumos associados, os quais já são, em si, indicadores de alguma violência ou, pelo menos, serem suscetíveis disso e de comportamentos sociais desajustados». Segundo Mário Jorge Nunes, a violência surge em «contextos propícios a esses comportamentos desajustados que implicam [ou interferem] na inter-relação das pessoas e dos grupos, mas também no ambiente, no espaço urbano e numa diversidade de questões».

O presidente da CM de Soure reconhece que «esses indicadores existem» e, por isso, a autarquia pretende «montar uma estratégia de forma a procurar que as noites sejam saudáveis, para diminuir os riscos». «Não se trata, apenas, do comportamento individual» dos munícipes. «Trata-se da interação com o próximo, mas também com o meio ambiente», nota o edil, aludindo ao ruído, ao lixo, às perturbações da ordem pública e aos perigos inerentes ao trânsito, «porque quem abusa [nos consumos] tenta fazer-se à estrada, para se deslocar».

 

Município «mais amigo do comportamento social»

A intervenção do Município de Soure será, neste contexto, orientada para os comportamentos saudáveis de quem «usufrui do lazer da noite». «Estamos convencidos de que, se diminuirmos esses riscos, os indicadores terão, forçosamente, de melhorar», argumenta Mário Jorge Nunes.

Convidado a fazer uma breve caracterização deste concelho do distrito de Coimbra, o presidente da Câmara Municipal admite que, no que respeita à ordem pública e aos índices de criminalidade, «Soure estará posicionado nos primeiros trinta lugares, num “ranking” nacional, com menos crimes». «Felizmente!», regozija-se o autarca, esclarecendo: «Temos vários processos de crimes associados a comportamentos [inadequados ou desajustados]. Mas também não é por aí!...»

«Há, realmente, indicadores de consumos exagerados de álcool, embora sejam transversais a toda a região de Coimbra», informa Mário Jorge Nunes, relevando que o seu município é, normalmente, «mais amigo do comportamento social». Soure é um concelho cuja «população ativa está, maioritariamente, empregada na área dos serviços», não obstante existirem algumas empresas locais no setor da indústria transformadora. Com um conjunto de indicadores favoráveis «acima da média da região», Soure apresenta «uma população muito envelhecida» e «uma baixíssima taxa de desemprego».

Assim, as razões que levam este município a aderir ao projeto «Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal» prendem-se, sobretudo, com uma atitude «preventiva» e pedagógica. «O concelho de Soure tem todas as condições para se manter como um exemplo na região. É isso o que pretendemos!», realça Mário Jorge Nunes.

Adicionar comentário