Prioridade Jovem

– Promoção da Saúde Mental e Sexual

Preocupações

  • O acesso e a prestação de cuidados de saúde reprodutivos tem assimetrias no País, não sendo assegurados em condições igualitárias a todos os cidadãos

  • A informação sobre as condições assistenciais que o Estado oferece não é universalmente conhecida

  • 40% das mulheres com vida sexual ativa e a usar contraceção, não frequentou, no último ano, consulta de Planeamento Familiar (90% adolescentes; 50% entre os 20 e 29 anos)

  • O uso de contraceção nos extremos da vida reprodutiva é menor, não usando contraceção 6% das adolescentes e 8% das mulheres com mais de 40 anos

  • A Interrupção de gravidez em mulheres de nacionalidade estrangeira voltou a aumentar no último ano

  • Em 2009 a educação sexual foi considerada obrigatória no plano curricular dos jovens. Em 2015 apenas 67,4% refere ter acesso a educação sexual/informação sobre contraceção e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis

Objetivos gerais

  • Melhorar itinerários clínicos em saúde reprodutiva e mental

  • Abordagem e tratamento escalonados (‘stepped care’)

  • Prevenir e diminuir comportamentos de risco da população jovem da região centro

  • Avaliar a eficácia, mediante indicadores pré e pós-intervenção (a taxa de gravidezes não planeadas, IVG e uso de contraceção; internamentos psiquiátricos; prevalência de infeções sexualmente transmissíveis, etc.)

  • Elaborar relatórios diagnósticos das realidades locais na região centro e de um guia de consensos para intervenção comunitária

Plano de intervenção

  • Capacitação de estudantes universitários em SSR – intervenção na comunidade estudantil (Formação interpares)

  • Capacitação de profissionais de saúde para otimização da resposta clinica (cuidados de saúde primários e referenciação hospitalar)